O impacto da pandemia COVID-19 na área de saúde mental.

Dados da área de saúde mental 2021
– O impacto da pandemia da Covid 19 na área de saúde mental –

Por Jorge Antônio Monteiro de Lima
www.almabr.com.br

Qual tem sido o impacto na área de saúde mental a partir da pandemia da Covid 19? Existe um aumento significativo de casos de transtorno de ansiedade, depressão, tendência suicida? Em 2017/ 2018 já era notório que ocorria uma explosão de casos de suicídio o que culmina na criação do chamado Setembro Amarelo. Em 2018/2019 ocorre um aumento significativo de casos de suicídio entre crianças, adolescentes e jovens adultos que também vivenciam a automutilação, e isto traz um profundo impacto em toda área de saúde, na psicologia hospitalar e clínica, nos serviços de psiquiatria e pronto socorro.

Em 2018 o Instituto Olhos da Alma Sã em parceria com outras 14 entidades cria a campanha Pela vida- setembro amarelo, em parceria com o CVV, Ministério Público Federal, Ministério público do trabalho, Exército Brasileiro, sindicatos e conselhos de classe, universidades e neste período todas entidades parceiras estavam extremamente preocupadas com o aumento significativo dos casos de suicídio na sociedade. Também a classe artística abraça a campanha Pela Vida reunindo 98 artistas e bandas e neste sentido foi promovido 18 festivais de artes e música com campanha de conscientização, 54 debates e palestras na região centro oeste, o que foi mostrando a realidade da sociedade neste período, o grau de adoecimento coletivo.

Infelizmente no Brasil as estatísticas na área de saúde são negligenciadas. Existe uma cultura do estado Brasileiro de subnotificação, na qual milhares de casos são omitidos. A pandemia da covid19 deixa isto evidente, a proporção que o próprio governo – ministério da saúde- retira do ar o sistema de contagem do número de casos- contaminados e óbitos. Isto é pratica rotineira do estado brasileiro, em casos de dengue, microcefalia, doenças tropicais, na área de saúde mental. Todavia embora não existam dados oficiais confiáveis, no trabalho em rede é possível mapear o tamanho da pandemia de saúde mental na qual toda sociedade está imersa.
A primeira fonte de dados é o CVV- Centro de Valorização da vida. Hoje no Brasil existem mais de 3500 mil voluntários que prestam um importante serviço de atenção primária em saúde na prevenção do suicídio. Em 2018/2019 já era perceptível no CVV que a demanda havia dobrado. O serviço que não tinha fila de espera para atendimento, começava a ter fila de espera de 15 minutos a 20 minutos. Em 2020/2021 a fila de espera por vezes chega a duas horas. O número de voluntários neste importante serviço não dá conta de cobrir a demanda que aumenta em 40% ao ano. Durante toda campanha Pela Vida convidamos a comunidade a se inscrever como voluntários para o CVV- indicamos a estudantes de psicologia que passem um ano como voluntários no CVV. Em resumo a primeira fonte de dados o CVV mostra um aumento dos casos de angustia, ansiedade, depressão e tendência suicida com aumento em progressão geométrica.

Outras duas fontes de dados vieram de universidades que prestam o mesmo serviço de saúde mental parceiras do Instituto Olhos da Alma e da clínica social Jung Brasil Sã. A USP com o escritório de saúde mental; e a UNB com a DASU. Ambas universidades anunciam uma dificuldade com o aumento claro de casos de tendência suicida entre alunos, colaboradores, professores e nos casos de atendimento a comunidade. Todos serviços de atendimento em saúde mental ficam lotados em 2018 – 2021 o que faz com que tais instituições busquem parcerias e atuar em rede com outras instituições afim de dar vazão a demanda, por isto a parceria com o Instituto Olhos da Alma Sã e com a clínica social Jung Brasil.

A terceira fonte de dados vem dos serviços de pronto socorro, CAPS, hospitais na qual vários médicos colaboradores atuam. Todos os serviços de saúde mental entre 2020/ 2021 ficam lotados. Fila de espera nos CAPS. Faltam profissionais, treinamento, gestão pública da demanda, profissionais adoecidos, sobrecarregados, alguns adoecendo por covid19. Ninguém estava preparado para lidar com uma epidemia de casos de saúde mental. Na clínica médica em pronto socorro o número de pacientes em crise de ansiedade, pânico, depressão vira rotina para qualquer médico com quatro ou cinco casos diários. O luto com melancolia, depressão vira uma rotina diária para equipes de enfermagem, médicos, servidores.

A quarta fonte de dados sobre a epidemia de casos de saúde mental vem da junta médica do estado de Goiás, responsável pela licença médica e afastamento de servidores. Entre 2020- 2021 anunciam que mais de 7 mil servidores da área da educação, 5 mil da área de saúde, e 4 mil servidores da área de segurança pública pediram afastamento. Destes afastamentos 70% foram casos vinculados a área de saúde mental.

A quinta fonte de dados vem da clínica social Jung Brasil que em 2021 tem mais de 600 colaboradores em todo território nacional, 45 supervisores de renome nacional e em sua boa parte atuantes na área de saúde. Em 2020 a clínica social desenvolve 70 mil atendimentos. Em 2021 até julho são realizados 73 mil atendimentos. O triplo da demanda esperada em apenas um semestre.

Com a pandemia da Covid 19 ocorre o aumento claro dos casos de saúde mental que já tinham característica de epidemia. A precariedade da socialização, a dificuldade dos afetos, lidar com a morte, desemprego, rompimento da ideologia, caos na religião e dificuldades adaptativas em um mundo em transformação geraram um quadro que raros estudos ou profissionais esperavam. A resposta social também aparece quando o curso superior de psicologia torna se o segundo mais concorrido em todas universidades federais. Uma demanda gigantesca social para profissões vinculadas a saúde.

Lamentavelmente no Brasil vivemos toda uma estrutura “negacionista” que se alastrou no meio acadêmico, na área de saúde, na política e religião. Mais que os dados citados bastam olhar para sua família, amigos e conhecidos para se perceber que existem casos de sofrimento mental a nossa volta. Ainda existe muitos mitos, preconceito, falsas notícias circulando sobre doenças mentais. Várias doenças têm tratamento e cura. Por tal evolução no número de pacientes o Instituto Olhos da Alma Sã e seus parceiros revolvem ampliar e antecipar o setembro amarelo 2021, iniciando a campanha em março com vários eventos, discutindo a prevenção em saúde mental. Todos podemos e devemos fazer algo pela vida!

Parcerias:
Clínica social Jung Brasil.
Clínica social de Brasília.
Clínica social do Rio de Janeiro.
Junguianos de Brasília.
CVV- Centro de Valorização da vida ligue 188.
Lottus Psicologia.
Or Avrohom.
Instituto Junguiano de Brasília.
Faculdade Serra da Mesa FASEM.
Centro educacional Alfredo Nasser. UNIFAN.
Faccamps.
Secretaria municipal de direitos humanos de Goiânia.
Universidade Federal do Paraná – UFPR.
Diretoria de atenção à saúde da comunidade universitária – UNB.
Escritório de saúde mental da USP.